ALL GARB DESUNITED

sábado, fevereiro 25, 2006

AINDA TE LEMBRAS...

...do que disseste no verão PASSADO?

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

"I WANT THAT ONE"... (but not the 007)

Deixa lá isso da mosse de chiclate. Inda se fosse bjécas.... e prós rebarbados que não tiverem paciência para ler o meu post antrior, pois olha... joguem-se PRÁQUI.



Venha de lá o Carnaval de Lolei, com as bundas redonda que enfestam Cartêra e Almefêra. Dé mérré o balde de xô...

MÓ... DEVESMUMA!

Moss deb! Ê nã disse cu gá era purparador físique, camandre? Ainda bem cu Dársse e o Admiracastélvaca me deram razão.

José Mike Manuel Melgado, tás-ma dever uma "mosse de chocolate" no próxime almoçe. Faicamane...

MÁ-MAUS? ISSO É UMA PADARIA....

E não é "Maus-Maus" nem "Mau Maus" como chegou a vir escrito no jornal. É "Má-Maus" como tava escrito na parede do tribnal, e advem de "Os Mais Maus". Conversé esta? É que ontem deixei-me enganar. Deram-me um toque para ir ver um tal de "festivalmau" de curtas-metragens internacionais ao IPJ. Ora desde que houve a popularização do DVD que me deixei um bocado de ir ao estád... er... ao cinema e isso. Tentando recuperar um pouco daquele feeling de excursão ao cineclube de fare quando o meu grupinhe de Olhão chegava sempre atrasado (e ainda hoje não sei se era de perpozite para não ouvir os comentarios ao filme antes do mesmo), lá fui eu (também confesso que me fui armar um bocado em asulade, tipo para depois falar aqui um becade da coisa, cultura no algarve e tal).

Lembro-me de alguns bons momentos cineclubescos assim à queima-roupa: um caréquinha que contou quase o filme todo (e... o final!) do Dia de La Bestia, as palmas no final do Gato Preto & Branco, as palmas antes do Marialvas de Cantanhede Mix que fizeram o Edgar Pera olhar para a assistência como que a dizer "Cabêle é esse?" e, claro, recordo-me com especial agrado do pessoal a sair a meio do Crash de Cronenberg. E foi isso que tive em mente ontem, durante o tempo que lá estive. E também me recordo de um membro do cineclube ter chamado "seita" a uma associação que iria ocupar o espaço na semana seguinte para fazer uma performance qualquer.

A palavra "seita" despertou-me a curiosidade, e como uma certa pessoa me convidou para ir lá... lá fui eu. E digamos que foi... diferente. Não quero colocar em causa a legitimidade, apenas dizer que felizmente que não se pagava entrada. Lá estive, durante algum tempo, a ver uns gajos com caixas na cabeça, a arrastar caixas e frigoríficos, até que finalmente saiu de dentro desse contentor ou carrai era que andavam a arrastar, uma pessoa. Pessoa essa que tinha estado lá o tempo todo, a ser asrrastado. Vim a descobrir, mais tarde, que esse "sofredor" era exactamente a pessoa que me tinha convidado. Ah, e não havia díalogos. Alguns sons, segundo me lembro, mas nada de falas. Vim, também, a descobrir mais tarde, que outra pessoa que eu conhecia (alguém de... BARRETE!) estava lá a ajudar nas luzes ou no som ou lá quiera.

Acho bem que cada um faça o que quiser, quem sou eu?, mas simplesmente tentei evitar ir a algo mais organizado por essa associação, pois não tenho, digamos assim, sensibilidade para aquilo. Desculpem, mas não tenho. Sou moço pra ir ver um jogo do Distrital desde que haja pinhão torrade ou isso, mas práquilo não tenho queda, prontes.

Passaram alguns anos (2 ou 3, mas quem está a contar?) e, por acaso, não fixei o nome da tal entidade orgnizadora e, ontem, como não tinha nada pra fazer como já não tinha há algum tempo, lá me deixei convencer pra ir ver o tal de "festivalmau", com entrada livre e promessa de um copo a seguir à cena. O que é que apanhei? Uma sequência de filmes, curtas metragens, "dentro do género". Se fui à percura de velhos feelings na capital da nossa região, foi o mesmo que voltar ao São Luís à espera de dois golos de Adelino Nunes ou um de Ricardo Gomes e outro de Vata e apanhar com o sabor das 4 bolas do Hassan ou do Mussa Nader (pensava que esse gajo era posterior, mas o Duscher falou nisso no outro dia e Farencices é mais com ele do que comigo, eu é mais Vereda Tropicaliente) nos tempos non-sense do rei artur que agora qualquer um culparia o Vale e qualquer duscher culparia o manelzei.

Que tenho a dizer sobre o evento festivaleiro que presenciei, afinal de contas? Que reparei que o equipamento deles era Denver, aquela marca-maravilha da Worten, e que nunca me apeteceu tanto gritar alto, no meio de uma sala áscuras: "Mó, MÁ QUE CABELO É ESSE?"

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

ESTALADA AO DIAMANTE?

Calma... não tou a sugerir nada ao Aprígio nem ao Sintra... mas nos comments DISTO surgiu o repto para ver se alguém salembra de um episódio deste antigo craque levar um estalo dum treinador do FCP... será que o DIAMANTE tava a olhá-lo de lade?

DIAMANTINE AFINAL FICA...

...o Cliff Cândide é que foi DISPENSADE.

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

CASTÉLE, O PUFESSOR...







Aviso òs sportinguistas: cuidado cus curses que o vosso técnico purferido de agora anda a tirar. Nã sei se aquilo é financiado pela Uniã Êrepeia mas engana muito bem, mês amigues...

O má grave é o gá que está a ensinar ao Pálbente meets Ran Tan Plan meets Gareth as Táticas e Metodoreologias de Jogue. Chama-se Jorge Castéle e é capá de ser o pior trênador pertuguês a seguir ó Luís Campes. Ma comé cum gá que nunca passou de medíucre no exercice das funções de ténique consegue ser professor em cursos da Federaçã?

Faicamane. Jorge Castéle foi, dig’êu contra o cafirma o Melgado Mike, peparador físique do Benfica de Eriqueçón e Toni. Despois, teve nã sei bem aonde e, por obra e graça do Senhor, chegou a Fare em Dezembre de 2001, para substituir o Alberte Pazes (que tinha sido corride pelos jogadores que nã gostavam de querrer muito...), e teve no Farense dois meses e mei.

Nesse príode o Farense foi a pior coisinha qu’ê já vi. Faicamane, que pobreza. O homem pode ser muito bonzinho lá na teoria e a escreves livrinhos sobre modelos e transições e a fazer CD’s e o camandre, mas na prática, faxâvor, uma nódoa... Em 11 jogues, uma vitóriazinha (contra o Salguêres), três empates e sete derrotas...

A mei de Fevrêre, já toda a gente lhe pedia a cabeça, mas os gajos do Farense lá lhe deram mai’uma opertnidade. Era jogue em casa, cu Boavista. Aquilo foi uma róbalhêra (nã se lembram da porradaria e dos vidros da porta principale do pavilheum partidos no final?!?) ma o Cástele já nã podia mais continuar. Veio o PácFortes e descemos no final da época. Ninguém me tira da cachimónia que se o gá nunca tivesse cá estade a gente se aguentava...

Só por causa disse me agrada cu Pálbente aprenda umas coisinhas cu gá. É bom sinal prós adversáires...

TÃO FORMOSINHO E BONIT...

NAVAL a pena...

...continuar em Pertimão? Ele lá saberá.



O Duscher na posta de pescada aqui abaixe aposta no regresso do Amílcar, mas cá pra mim ele anda munte longe... vou mais para um Carlão Manuel ou mesmo para um Vloso ou pra um Minervine... Per cá de quem? Basta ver quem é que ocupou o lugar antes de Diamantine na Praia da Rocha: Dito e Pachêque. E pró legar de quem é que o Diamante vai? Do Álvaro. Ora pois... Como diria um certo agricultor de Palmela... irmãos quê? E por falar em Benfica e em Pertimence, como é mesmo que me chamavas? Melga QUÊ?

DIMANTINE...



Uai mãe, atão o Dimantine Miranda vê a vida a andar patrás no Pretimonense e foge, qual rato, do barque de Portimão? Faicamane, ainda se fejisse prum poise melhor, mas nã, vai até à Figuêra da Foje, treinar um clube que já tá condnade.

Dimantine, não é mnite o que tu tás a fazer ó Pretimnense. Atão vais sair do Algarve pra cá voltar pró ano na Liga de Honra, quando a Nã Vale tiver de jogar em Pretimão? Pra quê? Nã era melhor ficáres aqui ao sol, digo eu que sou tê amigue...

E agora, o Sintra tá metide num bico de obra, do camandre. Fóuó! Nã vai ter jegadores se na sexta nã trócer malas cheias de nhêre prós jogadores. E, agora, mesmo que tenha nhêre, já nã tem ténique pra Chaves...

A nã ser que... AMILCAR, tás de volta?

terça-feira, fevereiro 21, 2006

O MAIORE MITE DA BOLA ALGARVIA...


"O erro é a confusão da verdade com a palha"

Mês amigues, estão a ler a posta de pescada 1000 desta merraça qu’êu e o José Mike Manuel Melgado fundámes aqui há ani’mei. Ora, pra festejar a milena nada melhor que ir bescar uma históira recôndita dos meandros do fetebol algarvie... Nã mete brazlêres, nem jegeslaves. Nem sequer catalãos ou espanhóes. Muito menos pretugas. Mas passou-se no Algarve... É daquelas histoiras quê já tinha ouvide falar mas nã sabia se verdade ou mite. Pus-m’em campe e investiguei, qual Hércules Puarô.

Middle seventis (70’s): a data nãé precisa, porque os nossos arquives e fontes divergem no ano. Há quem refira pré-25 de Abril. Há quem fale no pós. Mas a data pouque intressa. “Nelo” estuda no Algarve, algures em Loulé, segundo o que se conta. Joga no Sambrazense. Está inscrito na associação de futbol, disputa os Xtritais.

Mas, sempre nos amadores, muda-se pró Lóltane, na altura em cus Adros ainda nã tinham aquile controlade e o clube era mai piqueno que o outro emblema de Loulé, o da Campina (o Campinense cum dia levou 8 na Luz prá Taça). Manuel Carvalho (ou Santos?, as opinões divergem) era o seu nome oficial mas continuava a ser “Nelo” para todos na bola.


"Sambrais? Eu não lembra de ter
jogado lá.... só nos pista de ciclismo"


“Nelo” saiu do Algarve, entretanto. Há quem diga que tirou Direite e Teologia em universidades de Lisboa. Há quem diga muita coisa. Mas a verdade é que “Nelo” preparava-se para algo em grande. Foi prá sua terra, Guiné Bissau, e fundou um partido. Mái tarde, depois duns príodes conturbades, chegou a presidente do seu país.

“Nelo” é... Kumba Ialá.

E, esse mito da bola algarvia de que falava no títale do poste, talvez o maiore mistere, é que teria jogado bola no Algarve. E jogou mesmo. No Lóltane, antes, no Sambrazense. É um mito que o Algarve Desunaite, cumprindo serviçe públique, aqui esclarece. Ou, como diria o “Nelo”, num dos seus livres de expressões amalucadas, "a beleza de uma mulher elegante é a atrapalhação do cabrão do macaco da Indochina!"...

POSTA DE PESCADA NUMBARE 999

Só para dizer que o Cajudic ganhou o jogo de estreia 3-0. E foi a primeira vez em 10 ou 15 anus que Rui "Jay Leno is a fake" Nascimento não foi adijuntor do filho d'Olheum. Antes disso foi o Bólinhas e acho que o Valdemar "terceiro irmão Charlton" Custoide.

OK, que venhó post numbare mil!

INSPECTOR, OBSERVADOR, TREINADOR, ACTOR... MAS NÃO PERPARADOR!!!!



Ora aí está mais uma cara-cum-cu-doutro feature para azlade meter dfeite...

CASTELO (NOT BRANCO)



Tava aqui numa disqueção com o Bada Bife, sobre um ex-mister do Farense, o JORGE CASTELO. Pracaze acho que na fui ver nenhum jogo ó sãnluis nessa altura, na sei se era bom ou mau, mas lembro-me perfeitamente de haver muita contestação ao moço (creio não estar a errar muito ao dizer que naquele universo bizarro tipo mundo ó contrário do superméne que o Seinfeld fala, acho que ele seria o Pacman Fortes).

Mas a nossa dúvida é outra e é capaz é de ser é um job para o SUPER MAXI DARCY... ou para ESTES moces, se eles na tivessem fechade a loja. É assim: o Duscher diz que ele antes de ser treinador em Fare era preparador físico na Luz, mas eu digo que ele tá a fazer confezão com o tal Zé Gomes, que deixou a preparação para ir prá Capital do Móvel (levando o Chalanix pra fora de Lisboa numa altura em que o caso casa pia começava a dar que falar). E eu sou da opinião/memória que este George Castle era praí o 4º ou 5º adjunto no SLB, mas nada de preparações físicas, acho que ele era o supra-sumo das observações de adversários, e acho que até elevou isso à ciência exacta... ou pelo menos à beatificação da coisa via jornais que não têm mais nada que meter senão a vida banal dos três grandes.


"Moss, nés nada ó gaje que fazia
aqueles filmes da Pantera Cor Rosa?"


Anyways, antes de alguém nos confirmar o que é que o gajo foi mesmo, a conversa tava a pedir um searchezito no gugale, e nem de perpozite, o gajo pegou há pouco tempo na Sanjoanense. Segundo o "O Regional", Jorge Castelo, com uma só semana, já conseguiu algo bem significativo. Um melhor futebol praticado e uma melhor alegria no jogo. Além disso, conta na sua equipa com jogadores de nomeada, como Barge, Paulo Dumba ou... Ramadinha. Né pra todes, mês amigues... né pra todes. E o pessoal de Fare que tenha sódades dele pode sempre comprar CD's ou mesmo LIVRES do homem.

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

ADMIRATIRADÚVICAS DE VACA

Partilho este sentimento em relação à entidade MERERA TÉ DÁ, é daqueles gajos que nem me recordo bem se existiu ou se é produto da minha imaginação, mas o que realmente tá ma fazer confzão em monte é a estória do cruzamento de Robaína para o grego que parecia o Afonso Martins esticado...

FUI EU PRÓ NUORTE...

...vibrar com o golo do Olhanense no ultimo minete no Estaide da Maré em Matzinhes (e, claro, bater as tascas ó redor do campe antes e despois do jogo no intuíto de escobrir o que é uma verdadeira francesinha) e perdi de ver não só o Clatrense dar nas nalgas do Unaite (2-1 da bolha), como também perdi o grande dérbi da minha cidade, Safol vs Maritime, que só podia dar NISTO.

(e disserem-me agora que vem no Record o nome do jogador que agrediu o árbitre... o gá que me disse isso diz que só o nome dele já dava um belo post, ehehehe)

EMPLASTRES...



Faicamane, a moda dos emplastres teve hoje novo capítele (quinto?) nos cromes do Récore. Atã naécu PácFortes meteu-se na imagem do cromo do Vloze, estragando a figurinha e a colecção cromalhada.

Protesto, shôr juiz! A gente tames ali a quelecionar as antigas estrelas do Benfica, mesmo aquelas que falharam penáltes que nos podiam ter dade vitórias importantes, tipo Taça dos Campiões Êropeus. Nã tames ali para ver a bigodaça e o grito do Pác, "prá frente, Farense". Prá emplastres, basta-nos o outro moço, o Fernando, a aparecer nas reportages de télvisão.

Nã sei se este crome nã será a época do 4-1, com dois goles do Mousse (de Choclate) Nã Dá, estava o Rei Artur do outro lado, no banco do Benfica. Está ali o Vloze a tentar passar ao Paulão ou coisa parecida, e mete-se ali o catalão, de camisa e gravata. Maque rai de crome é este, senhores do Récore?

OLHANIZAÇÃO DO NUORTE, CARAGO!



En route para Matosinhos lá passemes por Guimarães para ver o Benfica, mas qual não foi a minha surpresa ao entrar num café na terra do King Afonssenriques e dar logo de caras com um flyer duma esqueteca onde ia tar a girar discos um nosso contrrâneo? E pelo que vimos mais tarde pelas pubelcidades nas estradas ali da zona, o gajo teve em tournée ali pelas esquetecas do nuorte da moda tuodas, carago!